10 de ago de 2014

BE NORMAL


Normcore é uma reação à massificação indie, na qual todos sentem uma tremenda necessidade de ser diferentes e ninguém de fato o é. Com todo mundo de olho em ser o único a usar um novíssimo gadget, a saber um dialeto africano ou ouvir a novíssima banda de rock da Islândia, o que se cria é uma ansiedade uniformizada de não ter mais territorios a explorar. A busca por algo especial acaba causando isolamento.

Não adianta evitar. Normcore é uma séria candidata à palavra mais odiada do ano, assim como aconteceu com o termo hipster em algum lugar do passado próximo. O Normcore já caiu na boca dos fashionistas e ganhou um novo significado.

Sites, blogs e editoriais de dezenas de jornais e revistas já apontam as "roupas de turista", as sandálias Birkenstock, os tênis New Balance de corrida, as meias brancas, os agasalhos corta-vento e as calças estonadas como o look normcore.  Um cara vestido assim na primeira fila dos desfiles da próxima temporada pode ser não um desavisado, mas o mais antenado dos mortais naquele espaço.

Há quem diga que até o último desfile da Chanel, apresentado dentro de um supermercado, o local mais comum possível, com modelos que, no lugar de saltos, caminhavam com tênis de academia nos pés, já esteja conectado com o que há de mais novo no ar.

Depois de anos e anos de um duelo nas passarelas, com misturas das mais mirabolantes, referências cada vez mais cult e uma enxurrada de blogueiras que se fantasiam para chamar a atenção de fotografos de street style, um jeans e uma camiseta branca realmente podem ser um alívio. A graça está em usar roupas que não te destaquem, mas te misturem na multidão. Mas o mundo da moda sempre dá seus pulos. Já viu a Birkenstock floral da Givenchy?

Ser normal virou o novo diferente. Mesmo que, em seu sentido mais genuíno, não exista coisa menos normcore do que lançar mão do visual "normalzinho"para tentar ser especial.

Achei esse texto super interessante na edição número 36 da FFW Mag e resolvi compartilhar com vocês. É incrível que esse movimento já é super nítido no instagram e tumblr, o que vocês acham?
Texto: Kátia Lessa | FFW Mag